Frestas

Tudo, ao seu momento, para. Para por que, simplesmente, tem que parar. Para por que não tinha espaço nos escritos - não nos meus, mas nos dessa vida que teima em se restringir aos poucos que já são contados.

E não, não cabia. Não cabia porque alguns sonhos simplesmente não dão certo. Não cabia porque a gente vai insistindo em por a chave errada na fechadura de uma porta que não era pra abrir.

A gente tenta tanto que cede. Se fechar, não te peço pra desistir. Não te digo pra não correr atrás dos sonhos. Você tem sim que abrir a porta, claro que tem. Que seria dessa vida sem os desafios?

Mas se apenas uma chave é capaz de destrancá-la, só vá em busca dela. Quando correr, explorar, encontrar e desbravar a você mesmo, ponha na fechadura. Tente uma, vire. Tente outra, vire. Não deu certo? Lembra que não é força, é jeito.

É como você acredita, o que você faz, como você luta. É tudo aquilo que, de tanto por a chave errada, você pode ter perdido a chance de abrir a porta certa.

Felizmente, mal você terá chegado e nunca será tarde demais. Outros trincos giram para destrancar suas surpresas. Outras maçanetas são amigáveis com a mão que se estende a abri-las. Outras chaves tilintam juntas num chaveiro de alguém.

A escolha é sua, mas a chave certa é única: ela sempre será aquela capaz de destrancar seu coração para os novos sonhos que chegam em sua realidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário