precisa-se: tempo

Foto: ONG Reviva

"É preciso o seu tempo". Mas e se lhe dissessem que o necessário, exatamente, não são as horas do teu dia. É a tua intensidade. O valor mais forte que você tem a oferecer. É que tempo de verdade é aquele que, mesmo que o relógio teime em chamar de passado, é presente eterno. Permanece o tempo que for necessário para que a gente aprenda, guarde e traga de volta à vida constantemente.

A necessidade é do teu tempo sim, mas não daquele que te arrasta por minutos intermináveis. A necessidade é do momento que te agarra pelo pulso a olhos vendados, que traz surpresas inesperadas e que enche de esperanças e boas expectativas. Há um segredo: o tempo é suficiente.

Nunca será preciso mais que 24 horas para viver um dia inteiro se ele o for de verdade. Se a gente não deixar pelas metades, não viver esperando que aconteça sem trabalhar com capacidade para acontecer. Se tudo o que é bom durasse mesmo tão pouco, porque é que guardaríamos as lembranças para sempre?

Sê, no ato de doar a si mesmo em seu tempo, intenso em sua infinitude. Em todo o ser que podes, na prática, ser. É preciso entender que temos sim tempos diferentes, mas que é porque somos o nosso próprio tempo. Nem sequer um minuto, de todos os que passam por nós, passa desapercebido. Passa com nosso aval.

Somos o quanto nos doamos para o tempo que temos. O quanto otimizamos ao entender que a união, ao nos fazer mais fortes e capazes, também nos faz mais abertos ao "tempo que for necessário". Quanto é necessário? O quanto a gente puder aprender.

E dizem que o tempo ensina. É verdade, a mais pura delas inclusive. O tempo ensina se nós nos propusermos, se formos voluntários e voluntariosos também. Se tivermos pulso de ficar e sentimento para compartilhar. O tempo tem a mesma extensão do quanto a gente acredita de verdade naquilo que faz.

Quanto é o tempo que temos? Exatamente a mesma quantidade de marcas que deixamos no mundo.

Larissa Mariano


Texto escrito para a ONG Reviva (http://reviva.org.br) para a coluna Textos de Quinta

Nenhum comentário:

Postar um comentário