ensaios.

Foto: ONG Reviva

Esperança. Esperança é o ato de ter certeza de que, em algum espaço de tempo, a gente vai chegar lá. A gente vai conseguir dar o passo que hoje ensaia meio desequilibrado, um pouco descoordenado talvez, mas sempre certeiro de suas vontades. Esperar não é apenas almejar que o universo contribua, que as marés ajudem, que os quatro ventos soprem a favor. Esperar não é só contar e esperar que ouçam. Que conspirem. Que nos peguem pela mão e digam: vamos lá, vamos fazer acontecer.

A esperança acontece o tempo todo. Com todo sonho, plano, vontade, expectativa. A esperança acontece a partir do momento em que a gente coloca nos pensamentos uma meta a ser cumprida e aguarda pelas felicidades em retorno. A esperança costuma acontecer em terrenos férteis, em corações minimamente preparados para o plantio, para o cultivo de sua existência. Mas é preciso lembrar, todos os dias, que nós somos os jardineiros: precisamos cuidá-la para que desabroche, floresça.

É assim mesmo: feito flor. Acontece em delicadezas, em miudezas até. Em pequenas coisas que a gente aguarda com afinco, mas enquanto não regarmos de paciência, persistência, boas ações, contribuições que as façam sentir seguras o suficiente para olhar para nós e dizer: aguarde e aja, vou acontecer lindamente.

E ela desponta. Floresce, colore, enfeita, faz com que tudo pareça mais leve simplesmente pelo fato de que a gente acredita naquilo que põe as mãos. Naquilo que trabalha pra fazer, que não sai dos caminhos da mente e que, não raramente também, orienta os caminhos que nos levam às extremidades benignas, às forças maiores que o tempo todo sorriem em nós e para nós.

Toda esperança que temos no mundo, nos olhos, nos íntimos, são as vozes de cada coração que se unem a tornar-se um só grito: elas ecoam sempre, sem cessar e sem falhar. E o universo escuta, assimila, compreende, acata todas as vezes. Mas a esperança também espera de nós: espera que estejamos abertos a ouvir seu recado e seu pedido de acolhida. Que sejamos abraço à sua causa e vida para sua vivência.

Larissa Mariano

Texto escrito para a ONG Reviva (http://reviva.org.br) para a coluna Textos de Quinta)

Nenhum comentário:

Postar um comentário